02 Sep 2016

No dia 31 de agosto foi realizada a 14ª edição do Simpósio da Soja, na Câmara Municipal de Naviraí, realizada pela Copasul e Embrapa Agropecuária Oeste. O evento bateu recorde de público das edições, com aproximadamente 400 participantes. Com uma programação variada, o evento envolveu estudantes, produtores rurais, técnicos e parceiros. A abertura foi realizada pelo Superintende da Copasul, Gervásio Kamitani, que enalteceu a presença de todos, destacando a importância do evento. Também participou da abertura, o pesquisador Harley Nonato de Oliveira, que é chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS).

Foram realizadas cinco palestras, sendo que a primeira palestra abordou as condições climáticas para a safra 2016/2017, com o consultor Marco Antonio dos Santos, engenheiro agrônomo e consultor na área de clima. “Os produtores podem esperar um setembro menos chuvoso que agosto. Em outubro chove bem, portanto, o produtor vai ter condição de plantar sua soja tranquilamente. Final de novembro e dezembro, pode ter um período de estiagem. Lembrando também que esse ano é um ano de La Niña, porém, de fraca intensidade”, comentou.

A outra palestra foi “Desafios da produtividade de soja”, com o pesquisado Dirceu Gassen. Dirceu mostrou um histórico da produção no país, destacando os desafios a serem superados. Focando na preparação de solo e na necessidade de aplicar conhecimento técnico para melhorar a produtividade.

Logo em seguida ocorreu a palestra “Épocas de semeadura da soja na região Sul de Mato Grosso do Sul”, com Carlos Ricardo Fietz, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados, MS.  Segundo ele, ao considerar o fator deficiência hídrica, a soja semeada em setembro ou outubro é um cultivo de risco em toda a região sul de Mato Grosso do Sul, mesmo em plantios feitos nos períodos recomendados pelo zoneamento. Por isso, é recomendado que sejam adotadas práticas que contribuam para a diminuição dos riscos de deficiência hídrica, como semear durante o período recomendado pelo zoneamento agrícola e adotar o Sistema Plantio Direto na palha. "Mas a deficiência hídrica poderá ser plenamente evitada somente com o uso da irrigação. Portanto, a irrigação da soja, em caráter complementar, é tecnicamente viável na região sul de Mato Grosso do Sul", concluiu.

Uma das palestras mais esperadas do evento foi do economista Gustavo Loyola, que fez um retrospecto do cenário mundial, dos mercados da China, União Europeia e Estados Unidos. Após comparar os cenários internacionais, Loyola falou do cenário doméstico. O tema da concretização do impeachment e da taxa de juros também foi muito abordado. “Acredito que o Brasil já deve voltar a crescer no próximo ano. Esse ano a situação Fiscal é difícil, mas a economia deve se recuperar lentamente”.

Fechando o Simpósio, foi a vez do pesquisador da Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP), Lúcio André de Castro Jorge, com o tema “Drone: Ferramente para Gestão do Sistema de Produção”, Lúcio é responsável pelo desenvolvimento de aplicações de drones. “Hoje temos uma grande infinidade de modelos, e o que diferencia cada um é o tipo de sensor e a autonomia de voo. Depende da aplicação você escolhe um ou outro. Um dos fatos da popularização é a possibilidade de ver “por cima” a lavoura. É um outro ângulo que dá uma riqueza maior. A tecnologia está se popularizando e o custo caindo. Com ferramentas que envolve o drone, os softwares, e todo o equipamento o produtor consegue melhorar sua produtividade". O pesquisador alertou também que esse tipo de equipamento ainda não está regulamentado, e que sempre é bom consultar os órgãos competentes.

O público avaliou positivamente o evento. “Sou cooperado de Maracaju, e é a primeira vez que participo, mas se depender de mim, agora quero participar de todas as próximas edições. Deu pra perceber a dedicação que o pessoal da Copasul teve para a realização desse evento. Ganhei o dia vindo aqui. São temas direcionados para o produtor. Quero trazer meus filhos nas próximas edições”, disse Arlindo Luiz Zemolin.

“Comecei a participar dos Simpósio ainda em 2008, pois era parceiro comercial da Copasul. Depois, a partir de 2012 comecei a participar como produtor rural. Moro em Campo Mourão, no Paraná, mas a distância de vir até aqui torna-se pequena, comparada ao conhecimento que posso adquiri vindo aqui. É um evento de alta qualidade técnica” disse Frederico Stellato Farias.

O Simpósio é uma realização da Copasul e da Embrapa Agropecuária Oeste com o apoio da Câmara Municipal, AEANAV (Associação dos Engenheiros Agrônomos de Naviraí) e ARANAV (Associação de Revendedores de Agrotóxicos e Naviraí). Com o patrocínio da Basf, Bayer, Yara, Dupont, Arysta, Coodetec, Dow Agroscience, Fertion, Helm, Jotabasso, FMC, Roos, Matsuda, Sicredi, Stoller, Syngenta e Timac Agro.

 

 

Fonte: Embrapa