05 Feb 2010

De acordo com o Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Negócios Rurais (DEFRA) do Reino Unido, em 2009 a produção britânica de ovos recuou 0,3% em relação a 2008, atingindo a marca dos 24,616 milhões de caixas de 30 dúzias. De toda forma, em relação a 2007 prevalece um aumento de 4,6%, o que significa expansão de mais de 2% ao ano no último biênio.
Porém, mais interessante do que o volume produzido é a forma de produção, sujeita a fortes alterações e indicando tendências que, futuramente, podem alcançar outros países produtores.
Em 2009, por exemplo, a maior parte ou 55% da produção britânica de ovos veio de poedeiras mantidas em gaiolas. Porém, mais de um terço do total produzido já provém de aves “free-range”, ou seja, mantidas ao ar livre na maior parte do tempo.
Considerados os dois sistemas de criação, no biênio analisado a produção em gaiola recuou de 62% para 55% - o que representou redução de 8% na produção. Já a criação sob o sistema “free-range” teve sua participação aumentada de 28% para 37% do total – um ganho de 37% no volume produzido.
Curiosamente, a produção de ovos orgânicos vem recuando. Representou 6% do total em 2007 e fechou 2007 com uma participação de 4%, o que significou redução de produção de 27%. Já a criação sobre cama, em galpão, manteve, aproximadamente, a mesma participação (4%) nos dois anos e obteve aumento de produção de 10%.
A propósito, dez anos atrás, em 1999, o volume de ovos proveniente de poedeiras mantidas em gaiolas correspondeu a 82% de toda a produção britânica, enquanto as criações “free-range” propiciaram apenas 14% do total produzido.

Fonte: AVISITE