05 Sep 2016

Mato Grosso é o estado que mais produz algodão no país. No entanto, em 2016, as expectativas para a safra não são as melhores. De acordo com os produtores, algumas regiões devem produzir 25% a menos em comparação com o ano passado. O principal motivo da queda foi a falta de chuvas, que acabou influenciando em todo desenvolvimento da cultura.

Entre maio e julho, por exemplo, o volume acumulado em Cuiabá, capital do estado, não passou de 10mm. Para esse mesmo período, o normal seria cerca de 80mm. De acordo com Alexandre Nascimento, meteorologista da Climatempo, a situação não deve mudar até setembro, que tem média de 58mm. “Pouca chuva é prevista para os próximos 15 dias, mas até o fim do mês há chance de precipitação dentro da média. A chuva mais frequente só volta na região a partir de outubro”, explica.

Marcio de Souza, engenheiro agrônomo do IMAmt - Instituto Mato-grossense do Algodão, explica que a produção foi prejudicada no início, na fase de plantação. “A cultura só foi plantada em meados de outubro do ano passado. Plantou-se tarde e houve um corte de chuvas em março, por isso produziu tão pouco”, afirma. Segundo o especialista, a cultura dependia da pluviosidade de abril e maio para se desenvolver, o que não ocorreu.

Os dados da safra de 2016 ainda não foram divulgados, mas o engenheiro agrônomo conta que algumas regiões tiveram queda entre 15% e 25%. Como consequência do clima e mercado de algodão em outros países, o preço do produto também sofreu um aumento.

Por enquanto, os produtores esperam que no ano que vem o clima possa ser mais favorável. Mesmo assim, já estão se precavendo para evitar problemas na próxima safra. “Os agricultores vão plantar nas áreas com melhor qualidade de solo, mais cedo para não depender do clima”, afirma.

Fonte: Linhas Comunicação