28 Sep 2016

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defendeu políticas públicas específicas para a classe média rural (classe C), incluindo acesso a seguro rural e lei plurianual, que estimule o potencial desse segmento produtivo. Um programa de renda para o campo passa pelo fortalecimento da classe C, que corresponde a 15,4% das propriedades rurais do Brasil, os mais desamparados das políticas públicas. A manifestação foi feita no 5º Fórum Nacional de Agronegócios, em Campinas (SP), neste sábado, (24/09). João Martins foi moderador do primeiro painel do encontro “Um programa de renda para o campo”. 

Segundo o presidente da CNA não há dúvidas que, em 10 anos, a agropecuária brasileira será totalmente diferente da praticada hoje em dia, em razão da vocação natural do país para a atividade e do empreendedorismo dos produtores brasileiros, que têm buscado o crescimento sustentável. O presidente da CNA destacou a necessidade da redução do chamado “custo Brasil”, pela diminuição da carga tributária, melhoria na infraestrutura e logística, com vistas à promoção de ganhos de competitividade para o setor agropecuário. 

Representando 70,4% dos estabelecimentos agropecuários brasileiros, as classes D e E possuem renda mensal de R$ 1,78 mil e são contempladas por políticas sociais do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e por políticas sociais do governo Federal. Segundo João Martins, o universo agropecuário brasileiro conta 5,17 milhões de estabelecimentos rurais, empregando mais de 4 milhões de trabalhadores.

O encontro reuniu líderes empresariais e da agropecuária do Brasil, além de pesquisadores, investidores e autoridades públicas no debate de uma agenda positiva para contribuir com o crescimento da atividade. A curadoria do evento foi do ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues. Sob o tema “Gargalos, travas e soluções para o Agronegócio” foram apresentados e debatidos assuntos de grande interesse setorial, como a aplicação do Código Florestal, programa de renda para o campo, proposta de reforma da legislação trabalhista rural, e oportunidades, dentro dos mercados asiático e africano, para o agro brasileiro.

No encerramento do evento foram realizadas premiações a empresas do setor de defensivos, fertilizantes, implementos, sementes e crédito, que mais se destacam no setor, no Prêmio Lide de Agronegócios.

Fonte: CNA Brasil