17 Jan 2017

O mercado suinícola não está conseguindo conter as sucessivas quedas nos preços do animal vivo. Nesta semana, a Bolsa de Suínos em São Paulo fechou em R$ 4,11/Kg R$ 4 ,27/Kg. A bolsa de suínos de Santa Catarina teve uma queda de R$ 0,10 em relação a semana passada e foi fechada a R$ 3,70. No Rio Grande do Sul, o animal o preço de referência caiu

 

Para os próximos dias a postura é de cautela, sinalizou a Scot Consultioria, para que não ocorram sobras de carne no mercado doméstico, que não tem absorvido facilmente os excedentes de produção, mesmo com as reduções nas cotações.

Para o decorrer das próximas semanas, a expectativa é de que o consumo interno permaneça retraído. “Ao longo do primeiro trimestre a demanda deve seguir lenta, período em que a população se mostra mais endividada. O calor intenso em algumas regiões do país é outro fator que inibe o consumo da carne suína”, sinaliza o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia.

São Paulo

A Bolsa de Comercialização de Suínos do Estado de São Paulo em sua 3ª edição (16/01/2017) em 2.017, definiu pela referência entre R$ 77,00/@ = R$ 4,11/Kg vivo à R$ 80,00/@ = R$ 4,27/Kg vivo, condições bolsa. No mercado de carcaça resfriada observou negócios variando em sua maioria entre R$ 6,10 a R$ 6,50/Kg. Segundo o presidente de Associação Paulista dos Criadores de Suínos, Valdomiro Ferreira Júnior, nota-se negócios com preços mínimos em R$ 5,80/Kg e na outra ponta em até R$ 6,70/Kg, ou seja, diferença em até R$ 0,90/Kg, mostrando o nível de especulação por parte dos frigoríficos.

“Notou-se um mercado bastante conturbado em questão de preços no dia de hoje. Mesmo cenário visto na última sexta-feira (13). Devemos ter uma melhor clareza nas cotações durante a semana em curso”, disse Ferreira Júnior, chamando atenção para o fato de que os suínos ofertados e abatidos, estão com peso normais, sinalizando nenhum represamento dentro das granjas.

Santa Catarina

A Bolsa de Suínos de Santa Catarina teve uma queda de R$ 0,10 em relação a semana passada e foi fechada a R$3,70 nesta segunda-feira. Desde o fim de 2016, o valor pago ao produtor pelo quilo do suíno vivo diminuiu R$0,50. “Há sempre uma tradição de preços menores no mês de janeiro. Há uma preocupação porque precisamos cobrir os custos de produção”, disse o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi.

Os preços dos insumos também estão em queda, sendo que a saca do milho está sendo comercializada entre R$ 30 e R$ 36. Com a colheita da safra, a redução de preços dos insumos deve ser maior, favorecendo os produtores de proteína animal. “Mas o produtor de suínos não pode balizar sua margem de lucro apenas em cima dos preços dos grãos. Nós temos que fazer com que Santa Catarina tenha melhores preços, já que somos referência na produção suinícola”, ressaltou o presidente da ACCS.

Rio Grande do Sul

De acordo com a pesquisa semana da Associação dos Criadores de Suínos do RS, o preço gaúcho do suíno baixou R$ 0,10 esta semana. O número de animais da pesquisa foi de 13.776, com peso médio de 105 quilos. Esta semana tivemos 2 informantes que compraram milho, ficando a saca de 60 quilos em R$ 32,00. O preço da tonelada de farelo de soja subiu para R$ 1.100,00 no pagamento à vista e para R$ 1.120,00 no pagamento com 30 dias de prazo, ambos no preço da indústria. A cotação agroindustrial média do suíno é de R$ 3,14. Pesquisa realizada no dia 16/01/2017.

Fonte: Suinocultura Industrial