Importação chinesa de carne dos EUA pode trazer benefícios para o Brasil

27 Sep 2016

Na última quinta-feira (22) a China anunciou a suspensão parcial do embargo sobre alguns produtos americanos à base de carne bovina. Após 13 anos de proibição, a Agência Chinesa para o Controle de Qualidade, Inspeção e Quarentena informou que permitirá a importação de produtos com ou sem osso, de animais com menos de 30 meses, com as condições de que os produtos "respondam às exigências chinesas sobre rastreabilidade, inspeção e quarentena".

Segundo o Rabobank, a China deve consumir 2,2 milhões de toneladas adicionais de carne bovina até 2020, sendo 20% do total importada.

Para o Presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC), Antônio Jorge Camardelli, esta suspensão parcial do embargo servirá de “estímulo” à produção de carnes gourmet no Brasil. Segundo ele, os Estados Unidos já produzem carne com maior valor agregado, diferente do Brasil, cuja participação no mercado mundial é pequena, pois produz mais carne considerada como commodity.

Para ele, não haverá um embate comercial, mas como forma de ser mais competitiva e aumentar a rentabilidade, pode ser um estímulo para que a produção pecuária brasileira busque agregar maior valor "Precisamos parar de falar de produzir boi e começar a produzir carne" disse o Presidente da ABIEC ao Grupo Estado.

 

Autora: Juliana Chini
Fundadora do Blog da Carne
Economista – ESALQ/USP
Mestre em Gestão Internacional - ESPM

 

Fonte: Rural Centro