23 Aug 2016

Depois de uma semana bastante chuvosa em praticamente todo o Paraná, o frio intenso ganhou força a partir do final de semana e derrubou as temperaturas, com registro de formação de geadas em várias regiões do estado, com destaque para ocorrências mais intensas no Centro-Sul. No campo, a preocupação é com as lavouras de inverno, especialmente o trigo, além das frutas e hortaliças sensíveis a quedas de temperatura tão bruscas. Segundo a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab-PR), os danos ainda estão sendo contabilizados.

De acordo com o meteorologista do Instituto Nacional de Meterologia (Inmet), Luiz Renato Lazinski, essa nova massa de ar frio é uma das mais intensas no decorrer do inverno. “As geadas foram muito fortes, mas por sorte atingiram regiões onde o trigo não está na fase suscetível, como em Guarapuava. No Oeste, onde o maior percentual das lavouras está em fase crítica, a geada foi mais fraca”, explica Lazinski. Já em Curitiba e Região Metropolitana, mesmo com a ocorrência de geadas mais fracas, as hortaliças serão afetadas, especialmente o alface que foi implantado nos últimos dias.Segundo Carlos Hugo Godinho, do Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral-PR), 75% das lavouras de trigo estão suscetíveis, mas o analista acredita que a geada deve ter causado apenas prejuízos pontuais. “A umidade no campo estava muito alta e isso segurou um pouco dos estragos. Além disso, a geada mais forte atingiu áreas menos suscetíveis. Como o tempo secou, a preocupação agora é com a previsão de uma geada ainda mais forte prevista para terça-feira (23) e que pode atingir, inclusive, a região Oeste e Sudoeste, onde o trigo está florescendo”, diz Godinho.

Em Guarapuava, onde os termômetros registraram 0,6º abaixo de zero, a geada teve mais impacto sobre as pastagens. “Com certeza a pecuária de corte e de leite vai sofrer mais. O trigo não deve ter sido tão atingido porque os produtores já plantam mais tarde para fugir das temperaturas muito baixas. Já quem plantou no final de maio ou início de junho pode ter problema porque o trigo está em fase de florescimento”, afirma o presidente do Sindicato Rural da região, Rodolpho Botelho.Previsão A semana deve seguir com tempo firme, sem previsão de chuvas até domingo. Uma nova geada deve ocorrer na madrugada de terça-feira (23), mas as temperaturas voltam a subir gradativamente ao longo dos próximos dias. “Até o final do inverno e início da primavera teremos novas ondas de frio, mas elas serão mais irregulares e menos persistentes”, afirma a meteorologista do Climatempo, Fabiana Weykamp.Para a próxima safra de grãos que começa a ser plantada a partir de setembro, os produtores devem ficar atentos ao comportamento do clima que terá influência do La Niña. Segundo Lazinski, o fenômeno causa ondas de frio mais intensas e prolongadas, com ocorrência de geadas até o final de setembro.

Além das temperaturas bastante baixas, a temporada 2016/17 também será marcada por chuvas irregulares, especialmente no verão. “O agricultor na próxima safra de verão não deve esperar um clima tão favorável como ele teve nos últimos três ou quatro safras”, afirma Lazinski. 

Fonte: Gazeta do Povo