25 Aug 2016

Um dos principais balizadores da indústria mundial de couros no segundo semestre é a feira All China Leather Exhibition (ACLE), que ocorrerá entre os dias 31 de agosto e 2 de setembro, em Xangai. Neste ano, serão 21 empresas brasileiras e o Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) expondo couros com o apoio do Brazilian Leather, projeto desenvolvido pelo CICB em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) com o objetivo de incentivar as exportações de couros do país. A expectativa é de que a feira gere negócios na ordem dos US$ 200 milhões para o Brasil nos próximos 12 meses.

A ACLE acontece neste ano em meio à expectativa de retomada de negócios da China. “É um momento importante para o setor. Veremos qual será o comportamento do mercado chinês para os próximos meses, podendo definir novos caminhos dentro do planejamento das empresas”, destaca o presidente executivo do CICB, José Fernando Bello.

Para dar suporte e potencializar os resultados brasileiros na ACLE, o projeto Brazilian Leather preparou uma agenda que tem início na véspera da feira, com uma reunião preparatória com os curtumes nacionais para detalhar o mercado chinês e o perfil do evento. Já durante a ACLE, haverá uma rodada de negócios organizada pelo escritório da Apex-Brasil de Pequim entre compradores chineses e expositores brasileiros. Também durante a feira, o país participará do 10º Leather Forum, organizado pela Associação Chinesa do Couro (CLIA), e apresentará o Preview do Couro – Verão 2018. Esta é uma mostra de  peles especialmente desenvolvidas com base em futuras tendências de moda e que já se mostrou uma plataforma eficiente de negócios para o Brasil.

 

A empresa Fuga Couros é uma das que compõem a seleção de peles do Preview do Couro e estará também com estande próprio na ACLE. Nikolas Fuga diz que o evento tem seu espaço cativo no mercado asiático e conquistou nichos locais importantes para os curtumes brasileiros, sendo a mais importante feira de negócios para estes segmentos.

Fonte: Comunique-se