Capim elefante: energia renovável e fonte de nutrição animal

16 Oct 2012

Em períodos de grandes discussões sobre os cuidados e a preservação do meio ambiente, novas fontes de energia renovável ganham destaques e são alvos de pesquisa. O capim-elefante, além da aplicação na nutrição para bovinos , principalmente para vacas em período de lactação, é também uma opção de fonte alternativa de energia. Originário da África, ele possui grande variabilidade genética e o seu alto rendimento e qualidade são um dos aspectos mais estudados na cultura.

Nutrição animal

De acordo com a Embrapa Gado de Leite, com sede em Minas Gerais, o capim-elefante é utilizado como base da alimentação de vacas leiteiras mantidas a pasto durante o período de menor crescimento do capim, pois há necessidade de suplementação com volumosos, como o capim-elefante verde picado.

Devido ao alto potencial de produção de matéria seca, o capim-elefante é a forrageira mais utilizada em sistemas de produção de leite e na produção de capineiras. O produtor pode produzir silagens de média a boa qualidade com o uso deste tipo de cultura. Depois do milho e o sorgo, o capim-elefante se encaixa no grupo de forrageiras tropicais com melhores características para ensilar por conta da alta produtividade, do elevado número de variedades, grande adaptabilidade, facilidade de cultivo, além da boa palatabilidade e aceitabilidade pelos animais.

Fonte de energia renovável

Por ser uma espécie de rápido crescimento e de alta produção de biomassa vegetal, o capim elefante apresenta um alto potencial para uso como fonte alternativa de energia. Além disso, deve-se destacar que o capim elefante, por apresentar um sistema radicular bem desenvolvido, poderia contribuir de forma eficiente para aumentar o conteúdo de matéria orgânica do solo, além de aumentar o sequestro de carbono.

O pesquisador e entusiasta do uso de capim-elefante como fonte de energia renovável, Vicente Mazzarella, afirma que a gramínea semelhante à cana-de-açúcar foi trazida da África há cerca de um século e, desde então, tem sido usada como alimento para o gado. O interesse energético surgiu depois que sua alta produtividade tornou-se uma característica reconhecida por pesquisadores mundo afora.

“Enquanto que para produzir celulose e carvão vegetal o eucalipto fornece 7,5 toneladas de biomassa seca por hectare ao ano, em média, e até 20 toneladas nas melhores condições, o capim alcança de 30 a 40 toneladas”, afirmou o técnico que estuda a espécie desde 1991 no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), do governo do Estado de São Paulo.

De acordo com Mazzarella, o cultivo da planta ainda é muito incipiente no Brasil, mesmo sendo o país que possui as melhores condições climáticas e geográficas para o plantio da espécie. “A produção em nosso país ainda é muito tímida, por inúmeras razões. Uma delas é que ninguém quer correr o risco. Além disso, as agências de fomento não completaram o ciclo, mas não tenho dúvidas de que a implantação vai levantar voo, minimizando erros e atuando de forma planejada”, garante o especialista.

Existem mais de 200 variedades de capim elefante e as plantações variam de lugar para lugar. O ideal é que o interessado procure saber quais são as variáveis mais adequadas a cada microrregião do país para só então iniciar o plantio. “As variedades dependem muito das condições edafoclimáticas. Para essas e outras análises existem pequenos projetos-piloto que estudam a variedade aconselhável para determinada região”, esclareceu Vicente.

Cultivo

Normalmente a primeira colheita pode ser feita seis meses após o plantio – o que permite duas colheitas anuais - mas também pode ser feita somente após um ano. “Ainda não existem dados práticos e econômicos em uma escala maior que comprovem qual o tempo ideal para colheita. Se são colheitas semestrais ou anuais, mais uma vez vai depender da região e respectivas condições climáticas e resposta do solo”, explicou Mazzarella.

Como pesquisador, Vicente desenvolveu trabalhos em parceria com a Embrapa Seropédica e o Instituto de Zootecnia do Estado de São Paulo, todos voltados a estudos sobre bioenergia. “Creio que em 2013 a questão do capim elefante deve deslanchar, pois não dá pra esperar que os outros avancem, temos que entrar nesse barco agora e fazer um trabalho bem feito”, pontuou.

Promissor

O pesquisador garante que essa fonte renovável tem o potencial de suprir entre 5% e 10% do consumo energético brasileiro nos próximos dez anos. Segundo pesquisas desenvolvidas por Mazzarella e as instituições parceiras, a produtividade energética do capim elefante - que cresce 5 metros ao ano – é muito superior ao da cana-de-açúcar e tem um bônus: capta ainda mais carbono da natureza.

E não para por aí, o futuro do capim-elefante mostra-se tão promissor a ponto de a planta poder competir com o eucalipto no segmento de carvão. “Já existem projetos em andamento para sua utilização como lenha em fábricas de cerâmica e como substituto do carvão mineral”, afirma. Para finalizar, Mazzarella aponta mais uma vertente para o uso da espécie. “Ele [capim] pode ser usado ainda em usinas termelétricas, em indústrias e o bagaço serve para a produção de álcool”, conclui.

Outro lado da moeda

De olho nos benefícios da espécie, o proprietário Sérgio Fernandes, da Cerâmica União, localizada em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, começou a cultivar o capim elefante há quatro anos, na queima de biomassa vegetal para produção de tijolos. Ele conta que viu no capim uma alternativa à queima de carvão e fonte de energia renovável. Por outro lado, no meio do caminho o empresário descobriu uma grande dificuldade no cultivo da planta. “Aqui ainda estamos em processo de implantação, pois descobrimos que a densidade do capim elefante é muito baixa e como o calor é gerado a partir do peso, a baixa densidade não ajuda muito. Por isso aqui na minha cerâmica eu misturo o capim elefante com o cavaco de madeira”, esclarece.

Densidade baixa e a dificuldade no cultivo

Ainda de acordo com o produtor é necessário que um trabalho mais intenso seja feito e pesquisas apontem o caminho do êxito na utilização do capim elefante. “Hoje nossa maior dificuldade em relação ao plantio é a densidade muito baixa que a planta possui. Outro ponto negativo é a falta de equipamentos adequados para colher o capim. Para isso é imprescindível o uso de maquinário agrícola adequado que faça a colheita de maneira que facilite o trabalho de secagem”, pontuou.

O capim elefante também possui alto teor de umidade e por essa razão precisa de um trabalho de desidratação muito bem elaborado – o que pode gerar gastos excessivos. “Se for gerar energia para tirar toda a água dele o custo pode ficar muito alto”, analisa Fernandes em referência aos aspectos da espécie que ainda precisam ser estudados com certa cautela.

O empresário é dono de uma propriedade no interior do Rio de Janeiro com cerca de 30 hectares plantados com capim elefante. “Precisamos de uma área maior plantada, mas também tenho necessidade que os estudos em torno da espécie se multipliquem e que as conclusões sejam positivas para quem tem interesse em cultivar. Precisamos de uma segurança maior”, afirma.

Plantio recomendável?

Questionado se recomenda o plantio de capim elefante, apesar de todos os aspetos positivos apresentados ao longo da matéria e do futuro um tanto quanto promissor que ele apresenta, Sérgio é enfático. “O plantio ainda não é aconselhável, pois é necessário calcular os riscos. Eu acredito que se conseguirmos aumentar a densidade da espécie o resultado será rentável, pois eu já investi muito dinheiro no cultivo e até agora minhas experiências não tiveram resultados tão lucrativos”, garante.

O produtor deixa claro que, apesar das características positivas e sustentáveis que o capim elefante oferece, os estudos são recentes e as formas de plantio ainda não apresentaram nenhuma descoberta sobre o ganho de densidade – isso tornaria o plantio extremamente recomendável – pois é a densidade que produz o calor necessário para gerar a energia que se espera da gramínea.

Em suma, tanto o pesquisador Vicente Mazzarella quanto o produtor Sérgio Fernandes, concordam em um aspecto: O Brasil ainda levará algum tempo para aprimorar a cultura e viabilizar o plantio.

Fonte: Rebecca Arruda / Rural Centro