por Ana Brito

Uma simples flor pode melhorar a qualidade do solo e auxiliar no plantio da próxima safra de soja. É a crotalaria, uma planta leguminosa que tem, portanto, a capacidade de fixar biologicamente o nitrogênio da atmosfera e incorporá-lo ao solo.

Veja abaixo a entrevista com o engenheiro agrônomo e técnico da Aprosoja/MS, Dany Côrrea, e aprenda a como cultivar a planta em sua propriedade:

Rural Centro - O que é crotalaria e por que tem sido observado um aumento do plantio?

Dany Côrrea - A Crotalaria tem a capacidade de fixar biologicamente o nitrogênio da atmosfera e incorporá-lo ao solo. Além disso, apresenta um rápido crescimento.

As espécies mais comuns são a Crotalaria spectabilis, Crotalaria  ochroleuca e Crotalaria juncea  utilizadas como adubo verde e também na cobertura de solo por produzir uma grande quantidade de massa verde fazendo com que a crotalaria seja uma excelente planta para cobertura do solo, produção de matéria orgânica e para o controle natural das plantas daninhas no sistema de plantio direto.

O grande diferencial da Crotalaria é que são altamente eficientes no controle de nematoides, vermes do solo que retiram substâncias nutritivas das plantas e são responsáveis por injetarem substâncias tóxicas no interior da célula vegetal. As espécies mais indicadas para rotação de cultura de soja, milho e algodão são a Crotalaria ochroleuca e Crotalaria spectabilis.

RC - O plantio da flor exige algum tipo de cuidado especial?

DC - O primeiro cuidado a se tomar é saber qual o propósito do plantio. Se é para controle de nematoide, o ideal é fazer uma análise para identificar qual espécie de nematoide tem em sua área de plantio, a fim de plantar uma espécie de Crotalaria mais eficiente para o seu caso em particular.

A Crotalaria é uma planta que adapta bem à seca e ao clima quente, mas não suporta o frio constante, por essas características é indicada para região norte, sudeste e centro oeste do Brasil. Tem um florescimento muito rápido em torno de 90 e 120 dias após o plantio. Por se tratar de uma planta tóxica é aconselhável ter cuidado especial tanto humano quanto com animais domésticos.

RC - Existe uma estimativa de área plantada de crotalaria em MS?

DC - Não existem ainda dados levantados sobre área plantada de Crotalaria em Mato Grosso do Sul. O que podemos notar é que sua utilização vem crescendo, à medida que são divulgados seus benefícios.

Sua utilização ocorre logo após a colheita da soja, às vezes simplesmente fechando área após o plantio do milho segunda safra ou mesmo em substituição ao milho segunda safra, uma vez que o produtor aproveita esse período para tentar diminuir a infestação de nematoides em sua área através do plantio da Crotalaria.

RC - Qual o custo inicial?

DC - O produtor que optar pelo plantio da Crotalaria logo após a soja ira desembolsar em média R$ 282,30 (Duzentos e oitenta e dois reais e trinta centavos) por hectare, sendo incluída nessa base de cálculo somente a hora máquina utilizada na semeadura e o preço da semente.

RC - Há um aproveitamento comercial da crotalaria?

DC - No mercado atual ainda não há essa visão comercial, pois a Crotalaria não é uma cultura para produzir grãos ou fibra como é caso da soja, milho e do algodão, o que se procura com a Crotalaria é o retorno que ela traz ao solo, seja ele através da fixação biológica de nitrogênio ou no controle de nematoides. Porém se o produtor visar a produção de sementes, ou seja, que faça parte de um campo de cooperação, ele deve estar articulado com um comerciante de semente

RC - Dicas para o produtor iniciante no manejo da crotalaria.

DC - Para melhor eficiência dos seus atributos a Crotalaria deve ser manejada quando estiver no seu florescimento pleno, pois é quando ela apresenta o máximo de acúmulo de nutrientes, esse manejo pode ser feito com uso herbicidas ou através de manejo mecânico com implemento agrícola do tipo rolo faca, a qual no processo deita a planta, matando-a.  O ideal é deixar Crotalaria no solo por um tempo para que ela entre no processo de decomposição isto vai facilitar a semeadura da cultura seguinte.

+ Brachiária ruzizienses: de invasora a aliada

Leia outros artigos da coluna AgroEditorial